Lembro como se fosse ontem a sensação de ter ficado órfão de alguma série. Foi com Lost, a primeira que acompanhei de ponta a ponta, tendo que esperar o terrível, mas necessário,  intervalo de uma semana entre um episódio e outro, que sofri essa dependência. Quando acabou, fiquei como um amante perdido procurando em outro, as mesmas características do anterior. Essa experiência me mostrou que, na maioria das vezes, assistir a séries com esse critério pode ser um tiro no pé.

Sharp Objects, a priori, tem todos os elementos para ser esse tipo de entretenimento. A começar que é uma adaptação, o que gera em telespectadores mais exigentes aquele medo de encarar uma obra reciclada, muitas vezes sem o cuidado de reproduzir a qualidade de sua antecessora. Em segundo, que o roteiro tem a assinatura do diretor Jean-Marc Vallée, responsável pela excelente Big Little Lies, o que eleva a expectativa a níveis estratosféricos, além de chamar a atenção dos fãs que esperam ansiosos a sua segunda temporada.E sem contar, claro, que é uma produção da HBO, que tem em seu cartel de séries obras incríveis. Ou seja, todos os ingredientes do bolo da expectativa com gosto de frustração foram colocados no forno.  

Até agora isso não aconteceu. Amy Adams entrega um excelente personagem sombrio, com graves problemas de depressão e alcoolismo, que ao voltar a sua cidade natal para cobrir uma série de assassinatos tem de enfrentar os fantasmas – quase que literalmente – que lhe assombraram durante sua infância e adolescência. Patricia Clarkson também faz um trabalho digno de premiações, interpretando uma mãe caótica que carrega em sua personalidade traços obsessivos misturados com um costume que mais parece saído de um filme do século 19. E tudo isso somado a uma direção que deixa claro as perturbações da protagonista e não tão claro a perspectiva de uma cidade pequena que carrega tradições estruturais e comportamentais que para a maioria dos que assistem podem parecer surreais e até bizarro. Ponto para o roteiro.

Mas nem tudo são flores. Sharp Objects não é uma série de investigação criminal, embora tenha vários elementos que dizem o contrário. Então, uma pessoa mais desatenta pode cair no conto do vigário e se deparar com um roteiro que tem problemas sérios de ritmo e, algumas vezes, pode ser até repetitivo. Claro, sempre podemos usar a justificativa estética de que é proposital, de que esse recurso ilustra toda a confusão mental dos personagens da trama, mas o telespectador médio não está muito preocupado com isso, o que pode afetar negativamente e injustamente a audiência e o feedback do programa.

No final das contas, Sharp Objects tem demonstrado até agora ser uma boa opção para quem está órfão de bons entretenimentos.Boas atuações, boa direção e uma dose bem peculiar de drama. Até agora foram 4 episódios da temporada que será única. Outra vantagem para você que não gosta ou não suporta esperar um ano até o próximo ciclo.

Sharp objects

8

Sharp objects

8.0/10
Compartilha, vai