Se tem um categoria de games que não dão muito certo, esses são os jogos de Super-Heróis; Duvida? Então confira Iron Man, Young Justice: Legacy, Batman Forever: The Arcade Game entre outros. Porém essa história tem mudado bastante hoje em dia, embora desde sempre a gente possa contar com ótimos jogos dos Super Poderoso, atualmente as coisas parecem ter melhorado um pouco mais. Em função disso, listei aqui 6 dos melhores jogos de Super-Heróis (ou Anti-Heróis) que eu já joguei, confiram.

Homem-Aranha (Spider-Man) -Playstation 1, Nintendo 64

Quem nunca quis se balançar entre prédios em alta velocidade, lutar contra Vilões super descolados e ainda de quebra salvar aquela donzela em perigo no final do dia? Bem, nem todo mundo, mas o fato é que o jogo do Homem-Aranha que saiu para PS1 e Nintendo 64 cumpriu isso e muito mais em sua proposta simples, porém promissora.

Nascido sob a Tutela da Neversoft, mesma empresa responsável por Tony Hawk’s Pro Skater, esse foi um dos primeiros jogos do Aracnídeo que realmente teve alguma relevância. No longínquo ano de 2000 tudo o que um jovem leitor de quadrinhos e fã do escalador de teias poderia imaginar era como seria viver na pele do herói em uma game realmente Sandbox, pois os jogos do Herói que haviam saído até então para outras plataformas (como Nintendo, por exemplo) eram presos dentro daquele velho estilo side-scrolling. No entanto, nem de longe o game lançado para PS1 era um sandbox, porém para e a época já estava de bom tamanho, embora muitas vezes aqueles “limites invisíveis” irritassem um pouco, principalmente quando batia aquela curiosidade de saber o que havia naquele prédio suspeito do outro lado da cidade.

O game contava com uma série de easter eggs e curiosidades. Em alguns momentos do jogo você se encontrava com outros personagens da Marvel como; Fera (Dos X-Men), Demolidor, Tocha Humana e até o Capitão América em uma das CGs. Outro ponto muito legal era a possibilidade de Colecionar Capas das HQs clássicas do Herói que ficavam escondidas por toda a cidade. Com uma trama simples porém divertida, o jogo tinha uma dinâmica sem igual, controles fáceis de rápidos e movimentos muitos precisos, muito da diversão estava na jogabilidade. Diante de tudo isso ainda é possível citar a inúmera quantidade de Uniformes Alternativos que você podia usar durante as fases, podendo se destravados na raça ou através de Cheat Codes.

Spider-Man pode ter gráficos poligonais e dublagens as vezes canastronas, mas ainda nos dias de hoje diverte qualquer um que resolva sentar no sofá, pegar o Joystick e iniciar uma jornada heroica por Nova Iorque na pele do amigão da vizinhança.

Batman: Arkham Asylum (Batman: Asylum Arkham)- PC,PS3,X-Box 360

Um dos games de Super Herói mais aclamados de todos os tempos, seja por seu clima fiel ao personagem, seja por sua mecânica, se chama Batman: Arkham Asylum.

O jogo tem uma trama muito boa com enredo criado por Paul Dini, inclusive roteiristas das animações do Cavaleiros das Trevas para TV. Com níveis de profundidade excelentes, incluindo contar a maneira como resolveram adaptar o Homem Morcego no jogo, aqui nós não temos uma simples roupa de pano, colante ou couro. Produzido pela Wildstorm (Subsidiaria da DC Comics), o conceito paramilitar da roupa do Batman casou perfeitamente com o tipo de herói que o justiceiro mascarado representa. Batman usa e abusa de seus vários gadgets durante o jogo. Tudo isso sem esquecer uma das mais marcantes características do herói, sua fama de detetive.

A mecânica do jogo é excelente, simples e funcional, principalmente se você estiver jogado com Mouse e Teclado, com simples combinações você é capaz de combos sensacionais. A visão do game se dá em terceira pessoa, no entanto um pouco diferente da convencional, uma vez que o personagem fica um pouco mais voltado para o lado esquerdo da tela, o que estranha no início mas logo você se acostuma e percebe que não tinha como ser diferente.

O jogo é desenvolvido pela Rocksteady Studios e distribuído pela Time Warner e Square Enix e é sem dúvidas um dos melhores que já surgiram no mercado.

O Incrível Hulk (The Incredible Hulk )- Playstation 2

Uma mescla das HQs com o filme de 2008, esse jogo do Gigante Esmeralda veio para esmagar a concorrência (Desculpas pelo trocadilho, tô tentando melhorar). O jogo é do tipo Sandbox e se passa em Nova Iorque. O jogador tem “total” Liberdade para se locomover dentro do cenário do game, possibilitando batalhas que podem cruzar a cidade de um canto ao outro, literalmente.

Umas das coisas mais legais no Hulk é a sua força absurda, o monstro não tem limites para a sua força, se tornando cada vez mais destrutível a medida que sua fúria aumenta e isso é muito bem explorado no jogo. Aqui temos um medidor de Rage onde você pode enche-lo tanto para se recuperar de eventuais danos quanto para entrar em modo “Frenético” e ficar ainda mais destrutível.

X-Men Origins: Wolverine- PC,PS3,PS2,X-Box 360,Wii,Nintendo DS

Um dos poucos casos onde o Game é infinitamente melhor que o filme, X-Men Origins: Wolverine se mostra também um excelente Hack ´n Slash.

Com uma vastidão de ambientes, o game coloca você realmente na pele do Carcajú mutante. Toda a essência do Wolverine está ali, sua violência, agressividade, habilidades e tantas outras características que o tornam um personagem tão marcante.

A história do jogo baseia-se na do filme, porém seguindo por vezes caminhos diferentes e inserindo outros personagens do universo mutante que não apareceram nos filmes solo do Logan. As fases chegam a ser repetitivas, mas nada que comprometa a diversão, sem contar que você pode coletar itens durante o jogo que podem lhe render novos uniformes, como o clássico amarelo e marrom dos anos 80.

O jogo é desenvolvido pela Raven Software (também responsável por Marvel: Ultimate Alliance) e distribuído pela Activision e é um dos mais fiéis ao personagem que dá nome ao título.

O Justiceiro (The Punisher)-PC,PS2,X-Box

Recontando a história do clássico do anti-herói da Marvel, esse épico em terceira pessoa, diferente dos filmes não deixa nada a desejar.

Quando The Punisher saiu gerou uma série de “burburinhos” mundo afora sendo quase cancelado, tudo em função de um dos fatores que torna o game mais particular, as famosas torturas pelas quais o vigilante faz suas vítimas passarem antes de as executar (é só um jogo, gente).

Ora, um jogo do Justiceiro que não tivesse violência extrema, tortura de criminosas e tiroteios insanos não seria um jogo do Justiceiro. Diferente dos filmes, aqui a classificação é para quem não é tão sensível. Durante todo o jogo você se depara com um certo nível de repetição de fases, seguindo tramas baseadas nas HQs e com um Frank Castle extremamente descontrolado, tudo o que você tem que fazer é atirar para matar e se suas balas acabarem, agarre algum criminoso pelas costas, tome a arma dele e o use como escudo humano.

Bem, olhando assim não é de se estranhar porque tanta polêmica em torno do game. Porém, apesar de todas as controvérsias, podemos dizer que o jogo é excelente. Com uma ótima jogabilidade agregada a um motor gráfico competente, você dificilmente perceberá o tempo passando enquanto limpa a cidade de Nova Iorque do crime organizado.

Desenvolvido pela THQ, The Punisher não é um game inovador que chegou para abalar, mas se sua proposta é diversão descompromissada então ele se mostra extremamente competente nesse quesito.

Injustice: Gods among Us – PC,PS3,X-Box 360,X-Box one, PS Vita

Quem é mais rápido; Flash ou Superman? E o mais forte; Superman ou Shazam? Bem, não será nesse jogo que iremos descobrir, pois cenas como o Batman cobrindo o Somolon Grande de porrada ou o Coringa arrombando a cara do Bane no mano a mano são corriqueiras por aqui.

Desenvolvido pela NetherRealm, responsável pela atual franquia de Mortal Kombat, Injustice é simplesmente um dos jogos de Luta Mais Fodas de todos os tempos. Compartilhando quase dos mesmos controles do seu companheiro de casa, o jogo ganha cada vez mais pontos à medida que se joga e se descobre algo novo para apreciar. Com uma jogabildade fluida e respeitável, os gráficos do jogo são de dar gosto de ver. É possivel interagir com alguns elementos no cenários gerando possibilidades que vão de derrubar uma estátua em seu adversário até tomar um soco e atravessar uma parede de um cenário ao outro.

Espera ai, você achou que só os controles, a jogabilidade e os gráficos eram suficiente pra já sair comprando o jogo? senta ai que tem mais. Fazendo aqui um breve paralelo com a franquia Mortal Kombat pelas mãos da NetherRealm, se tem uma coisa que conta muito, mas muito, mas muito mesmo em um jogo, essa coisa é a Trama. Se assim for, Injustice também não fica atrás.

Partindo de uma realidade paralela, onde O Coringa faz com que Superman mate (Por engano, pensando se tratar do Apocalipse) sua amada Lois (que estava grávida), temos como consequência dessa insanidade do palhaço, uma guerra de proporções globais. Uma vez que Superman, fora de si pela morte da mulher e do filho, resolve dominar o mundo com mãos de ferro e acabar com toda a criminalidade no melhor estilo déspota insano. Porém é óbvio que haveria de ter uma resistência, sendo assim, heróis e vilões se unem em lados opostos para se enfrentarem dando assim origem tanto a um enredo foda (Apesar de nada original) quanto a uma bela desculpa para os Heróis e Vilões caírem em sequencias de porradas desenfreadas dignas dos série animada Liga da Justiça.

Nascido em uma longínqua galaxia jamais explorada pelo homem, desde pequeno coleciona quadrinhos, maratona games oitentistas, adora cinema indie e as vezes até se aventura na escrita de contos Scifi. Tudo isso enquanto aguarda sua volta pra casa.

Compartilha, vai