Eu lembro de uma época (16 bits) onde não haviam Memory Cards, Continues infinitos ou sequer Checkpoints que levam você de volta a metade da fase. Era uma época de trevas e dificuldades onde o verdadeiro Gamer tinha que mostrar habilidades se quisesse realmente finalizar aquele jogo e ostentar para os amigos o título de ter conseguido tal façanha. Os jovens de hoje jamais saberão o que isso significa.

Hoje reunimos os 5 Games mais barra pesada da história, obviamente que é tudo uma opinião pessoal, pois é óbvio que não jogamos todos os jogos do mundo. Enfim, deem uma conferida e se gostaram comentem, se não gostaram comentem também, deixe seu feedback para gente.

Donkey Kong Country (Super Nintendo)

donkey kong

Carai, oia lá aquela guariba peladona, máh!

Desenvolvido pela Rareware à mando da Nintendo em 1994, Donkey Kong Country foi o primeiro de uma nova trilogia que obviamente ainda contava com mais dois jogos; Donkey Kong Country 2: Diddy’s Kong Quest e Donkey Kong Country 3: Dixie Kong’s Double Trouble.

DKC foi um marco por trazer gráficos excelentes para a geração 16 bits, com uma boa jogabilidade e uma diversidade de fases gigantesca, o game encantou os corações de todos os gamers daquela geração. No entanto, como já era de se esperar dos games de plataforma da época, DKC não fica atrás quando o assunto é fazer você de trouxa. Se tem uma coisa que esse danado nos ensinou é que a vida não é fácil e ele não iria pegar leve com você de maneira nenhuma.

Você passou horas jogando no intuito de finalmente terminar aquela fase e passar pra próxima, ai em uma piscadela de olho você escorrega e é devorado por um crocodilo, atacado por abelhas gigantes assassinas ou bombardeado por bolas de canhão certeiras bem no meio da fuça. E o que acontecia se você morria? Bem, DKC até que tinha Checkpoints, eram certos barris que estouravam quando você passava por eles, demarcando assim de onde você recomeçaria a fase caso morresse. Mas não pense que isso deixava as coisas mais fáceis, você tinha poucas Vidas e Continues para o jogo inteiro, caso os perdesse, voltava para o início do game. Devo dizer que frustração maior não existia. Com a paciência que tenho hoje, me admiraria se eu conseguisse passar da primeira fase dessa porra.

Disney’s Aladdin (Super Nintendo)

Alladin

Hoje é sexta-feira, porraaaaaa

Considerado um dos melhores games de plataforma da geração 16 bits na sua versão para Mega Drive, o Game que vamos falar aqui trata-se da sua versão para Super Nintendo.

Disney’s Aladdin foi lançado pela Nintendo em 1993 para Super Nintendo e até hoje é um dos melhores games da Empresa.

Seguindo o estilo plataforma (comum entre os games dessa geração), o game nos apresentava uma variedade muito grande de fases para serem exploradas. Era fase no gelo, no fogo e até nas nuvens.

O jogo tinha uma visual muito bonito, falar disso tudo é tão nostálgico que me deixa com vontade de voltar aos anos 90 só para apreciar o game como se fosse novo. No entanto, nem tudo era ‘as mil maravilhas’ no jogo do nosso amigo de Agrabah.

Justamente por ter uma enorme variedade de fases, por vezes o game acaba por tirar toda a sua paciência ao tentar se adaptar a alguma fase nova que acabou de surgir, logo depois de você ter passado três dias lutando para pegar as “manhas” da anterior.

Aqui o seu HP era contado através de 5 corações que ficavam na lateral esquerda da tela, enquanto seus Continues eram representados pela silhueta de Alladin. Cada dano que você sofria lhe tirava uma coração e como era de praxe, toda vez que você perdia os 5 corações lá se ia um Continue pro beleléu.

O jogo contava com fases realmente muito improváveis, como a fase no vulcão onde você deveria controlar o Tapete Voador se esquivando de bolas de fogo, pedras e tudo quanto é sorte de coisas voando na sua cara, enquanto se preocupa em não bater com a fuça das paredes e cair na larva “morninha” do vulcão enfurecido. Perdi a conta de quantas vezes morri tentando passar dessa fase, boa parte dos meus cabelos foram embora ali.

Megaman (Nintendo Entertainment System)

Puta merda, na foto do Tinder tava mais bonita!

Criado pela Capcom em 1987, Megaman não apenas se tornaria um dos Games mais jogados da quarta geração, mas também um dos mais difíceis já visto.

Dentre todos os games da franquia, é muito difícil escolher qual o mais difícil, eu mesmo não sei dizer. Tem muitos gamers que votam no X3 enquanto outros afirmam ser o X7, outros dizem que são o X e X2 enquanto outros já afirmam que se trata do X6.

Enfim, esse não é o X da questão (Badum Tss). O lance é que quando se tratava de fazer você arrancar os fios de cabelo de raiva, Megaman dava aula. Os jogos da franquia contam com inúmeras características que deixam os nervos de qualquer um a flor da pele. Como não bastasse uma barra lateral limitadíssima HP (Que não regenerava como nos jogos de hoje), você tinha que desviar de mil coisas na tela ao mesmo tempo; Era porrada, tiro e bomba pra tudo quanto é lado e quando você morria a dois passos do final, já se preparava pra fazer a fase inteira de novo…Do começo.

Como se desgraça pouca fosse bobagem, você ainda tinha que acertar quais chefes deveria derrotar primeiro. Não entendeu? Calma que eu explico; Cada chefe só podia ser derrotado se fosse usado nele a arma de outro chefe, para isso, você deveria matar o tal chefe e tomar sua arma. O problema é que nem todo chefe era facilmente derrotado com a arma de outro, então você deveria escolher sabiamente que chefe encarar primeiro para derrota-lo, tomar sua arma e seguir adiante derrotando os demais.

Nem preciso dizer o que acontecia quando você escolhia errado, né?!

Super Street Fighter II Turbo (Playstation)

street fighter

Toma essa seu comunista bolivariano!

Certa vez eu cheguei numa locadora de um amigo e lá estava um jovem gafanhoto jogando Ultra Street Fighter IV, ele me pediu para que sentasse e jogasse uma partidinha com ele. Até hoje me lembro do rosto daquele moleque se esbaldando na humilhação que me faria passar. Porém para a infelicidade dele, tomou-lhe uma surra que nunca tinha visto antes, sabe por quê meus amigos? Porque uma vez que você joga Super Street Fighter II Turbo, nenhum outro game de luta é mais um desafio.

STFII foi desenvolvido pela Capcom em 1994 para várias plataformas, dentre elas a que joguei, o velho e querido Playstation.

Meu amigo, se você não sabia o significado da palavra Dificuldade, pode crer que você iria aprender jogando esse game no modo Arcade com a dificuldade no Easy (que deveria se chamar Dificuldade Nível Filha da Puta).

Você não tinha tempo nem para respirar, entre os Haduken emendados um no rabo do outro lançados pelo Ryu, os Shoryuken incansáveis do Ken que não deixavam nem você sair do lugar e os Lightning Kick da Chun-li que tiravam metade de sua HP, tudo o que você podia fazer era apanhar impotente diante de tanta apelação da CPU contra você. Parecia até que ele (o computador) tinha uma rixa de infância conta a sua pessoa, essa era a única explicação pra tanta barbaridade junta em uma game só.

Super Mario World (Super Nintendo)

super mario

Aqui é nóiz que vôa, Bruxão!

É meus amigos, chegamos ao nosso querido, saudoso, majestoso clássico de 1990 lançado pela Nintendo para várias plataformas, dentre elas; Game Boy Advance e Virtual Console (Wii, Wii U e Nintendo 3DS).

O que podemos dizer desse jogo filha da puta bendito game de plataforma que tanto nos trouxe alegria?

Super Mario World era aquele tipo de jogo que não bastava apenas te irritar, ele tinha que te humilhar também porque sabia que você não podia ficar sem ele. Era nessa relação de amor e ódio que se construía um dos maiores romances da história dos Games da Quarta Geração.

Você passava horas (no sentido literal mesmo, eram duas, três, quatro horas seguidas) lutando até conseguir chegar até um certo ponto do jogo, e o que acontecia quando você chegava lá? Cometia um deslize de 1 milissegundo e era amassado por um castelo em movimento, assassinado por uma tartaruga sorrateira ou atingido fatalmente pelo pólen de alguma planta viva que por alguma razão cismava em surgir de dentro de um cano no meio do seu caminho.

Vale lembrar que naquela época não existia Memory Card, no entanto nem tudo era desespero. O cartucho do SMW do Super Nintendo possibilitava você salvar o progresso nele mesmo, utilizando uma tecnologia extraordinariamente eficaz e nos poupando dias de agonia sem fim.

O lance é que Super Mario World assim como vários outros Games da Geração Nintendo nos trouxeram muitas alegrias e diversão, de fato, se somos gamers fodas hoje em dia devemos muito a esses clássicos da geração 16 bits.

E você, o que achou da lista? Tem algum jogo que gostaria de tirar ou adicionar, comente ai embaixo e nos deixe sua opinião.

Nascido em uma longínqua galaxia jamais explorada pelo homem, desde pequeno coleciona quadrinhos, maratona games oitentistas, adora cinema indie e as vezes até se aventura na escrita de contos Scifi. Tudo isso enquanto aguarda sua volta pra casa.

Compartilha, vai